domingo, 1 de novembro de 2009

Barragem de Guilhofrei ou Ermal - Vieira do Minho

Guilhofrei é uma freguesia que pertence ao concelho de Vieira do Minho, tem 11,40 km² de área e 2 800 habitantes, apresentando uma densidade de 101,2 hab/km2.
Dista 10 Km da sede do concelho.

No seu livro o padre Alves Vieira descreve-nos Guilhofrei assim:
Eu, no seu lugar, dava o primeiro passeio à serra. O Merouço é algo de surpreendente e deslumbrante, em dias de refulgente sol. Ou se volte para Vieira, ou para Fafe, o cenário é sempre de um encanto sublime; mas estamos em dizer que o panorama para o lado de Vieira é dos tais que a nossa retina nunca pode esquecer. (...) Para o lado de Fafe a vista não encontra esse conjunto surpreendente e variado de belezas, o panorama é por ventura mais triste e soturno, menos variado, mas em compensação, como é grandioso, vasto, desmesurado, dando-nos uns longes do infinito (...) Não desça o leitor da serra sem lançar uma vista de olhos para aquele prestimoso e fecundo vale de Rossas, que alguém chamou o celeiro do Minho e de todo o país (...).
(...) No segundo passeio não saia do centro da freguesia. Tem muito que ver: a casa do sr. visconde de Guilhofrei (...) ; em seguida a capela e escolas do mesmo venerando e prestante cavalheiro; logo a seguir a igreja paroquial, uma das primeiras que houve por estes sítios, si vera est fama, com uma fachada interessante, denunciando um estilo que se mutilou, que era puro românico; logo abaixo o famoso carvalho do Ermal. (...) Numa terceira caminhada, passando rente à casa que foi do saudoso Dr. José Carneiro, desça ao rio; pelo caminho encontrará a sempre árvore predilecta da nossa terra: o carvalho. (...) Descendo o rio, estamos a breve trecho no ponto em que se lhe junta o que vem de Vieira. (...) A ponte de Riolongo vem agora. Já a conhecemos. Lá segue a levada de Ermal. Agora o rio, que até aqui bordejava campos e pauis, tem de se defrontar com a penedia brava e inclemente”.

Aqui ficam algumas fotos da Barragem do Ermal, que aquando do texto do P. Alves Vieira ainda não existia.










2 comentários:

  1. Nem parece teu publicar um texto onde Rossas é elogiada (mesmo sendo o vale).
    O texto é de quando?

    ResponderEliminar